Claro como a àgua


Retirado do Reaccionário

Anúncios

Ecos de mudança


O que estes badamecos não entendem é que estão a destruir não só Portugal, mas toda uma Europa, com a atribuição de nacionalidade a estrangeiros que pouco ou nada se enquadram na cultura europeia.

Só em 2008 receberam a nacionalidade portuguesa cerca de 22410 imigrantes, a Eurostat diz que Portugal foi, nesse ano, o segundo país da União Europeia que mais cidadania atribuiu por cada mil residentes estrangeiros, os recordistas foram os suecos, que devem estar a “morrer” de satisfação.

Isto significa o fim da velha Europa?

Antes que seja tarde é preciso despertar consciências e acabar de uma vez por todas com esta diarreia mental, a nacionalidade não se compra nem se conquista é um direito de sangue,” Jus sanguinis”.