Eu acredito…


Eu acredito fervorosamente nos destinos da nossa Raça. Um País que, – mais do que fronteiras de montanhas ou rios – criou uma História, uma Língua, uma Arte independente, não pode morrer. Pode ainda a nacionalidade ter um período de obscurecimento abismador…
Façam-lhe ainda pior do que lhes têm feito; a Raça não sucumbirá – e a Nação há-de ressurgir do próprio sangue, das próprias lágrimas do seu calvário.

António Correia de Oliveira (In “Diário de Notícias de 6 de Março de 1920)