A Pátria

“A Pátria!” Eis a minha primeira e última inpiração. Mal empregada musa para tão fraco engenho, bem sei; mas, dando à minha Pátria o que tenho, e oferecendo-lhe tudo o que ainda julgo poder, cumpro com o que devo. Que os “entendidos” me tomem isto por loucas fantasias; talvez tenham razão! que, na verdade, muito ilude o amor. Quero porém morrer sem levar remorsos na minha consciência de português. O amor que consagro a Portugal é uma religião que pode bem ter chegado a fanatismo. Eu sou como as mães… ou como as filhas, que quanto mais vêem prostrado o seu querido filho ou pai, mais sentem crescer por ele a sua ternura. Riam de mim os espíritos fortes e despreocupados; fiquem porém sabendo que, embora o rir seja simpático, eu não rio de os ver rir; antes sinto em mim que deles me compadeço.

(Tomás Ribeiro, In “Mensageiro n.º3”, Lisboa, 1897, pág. X) 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: