Para quando uma Palestina livre

O Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahumud Abbas, durante um discurso proferido esta quinta-feira a propósito da Nakba, salientou não só a vergonha como também a usurpação de uma parte do território palestiniano que culminou com a criação do Estado de Israel.

Num discurso transmitido pela rádio “A segurança de Israel está dependente da nossa independência e da nossa segurança. A continuação da ocupação e da Nakba não trará segurança a ninguém”

Para o presidente Abbas, as negociações com o Estado de Israel são para prosseguir com o objectivo de se poder vir a celebrar um acordo que levará à criação de um Estado Palestiniano. Mas desde já deixou um alerta, a permanência da colonização israelita pode não dar continuidade a essas mesmas conversações, levando mesmo as negociações ao fracasso.

 

Após a criação do Estado de Israel em 1948, cerca de 750 mil palestinianos foram obrigados a abandonar as suas terras, até agora Israel continua a recusar o regresso desses refugiados ou descendentes.

  

Nakba – Os palestinianos chamam Nakba (palavra árabe para catástrofe) ao que lhes aconteceu em 1948, foi levado a cabo por um grupo de sionistas que tencionavam formar o Estado de Israel em terras palestinianas.

Anúncios

2 Respostas

  1. Essa zona é um vespeiro. Até há uns anos tive uma atitude pró-Israel, mas face à forma como a Ocupação dos territórios faz a vida negra a um palestiniano médio, acho que devem chegar a um consenso.
    Quanto ao grupo de sionistas, no início o projecto era criar uma Pátria para os judeus fosse onde fosse. Houve a possibilidade de ser em parte de Angola,mas não houve abertura. A História teria sido outra, não acha?
    Depois viraram-se para a Terra Santa e o projecto que estava aser implementado era o de comprar gradualmente terras aos àrabes.
    Entretanto a II Guerra MUndial e a tentativa de os compensar pelo fechar dos olhos dos Aliados às Políticas dos nazis deu no que se vê na actualidade…
    Não tenho quaisquer dúvidas que se os Palestinianos tivessem o poder militar necessário tratariam desta questão de uma forma “não negocial”.

  2. Anotado.
    Também mudei o endereço.
    Abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: